Coach educacional e a Neuroeducação: juntos, para o seu aprendizado.

A Neurociência, mãe da Neuroeducação, dedica muito tempo em entender cada pedacinho do nosso cérebro. Três partes gerenciam tudo por ali e tomam conta de aproximadamente 86 bilhões de neurônios. Para cada uma delas existe uma infinidade de chaves a serem forjadas pela Neurociência, que nos presenteia com novos recursos nas mais diversas áreas.

neuroeducação

Aqui direcionaremos nossa atenção à Neuroeducação, e todo o pacote de vantagens que ela nos traz a fim de aprimorar nossa capacidade de reter conteúdos. Para os que se dedicam aos concursos, essa pode ser a diferença entre aprovação ou ter que esperar alguns anos para uma nova tentativa.

Neuroeducação também para a turma do concurso.

Segundo a Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac) , existe hoje no Brasil um número aproximado de 10 milhões de dedicados candidados a uma carreira mais estável. Para o psicólogo e professor da Unicamp, Roberto Heloani, a “demissão é uma ameaça que ronda boa parte das categorias profissionais. Para ele, a falta de empregabilidade afeta trabalhadores de alta e de baixa qualificação”.

Se não são candidatos aos concursos públicos, são os estudantes que se aplicam durante o ensino médio para uma disputada vaga em uma boa universidade. O número de candidatos em 2019 chegou em 6.384.957. Pais, preocupados com a educação dos filhos, encaminham suas crianças para os processos seletivos de escolas consagradas e para o aprendizado de um segundo idioma, já pensando no intercâmbio e futuramente no acesso às boas oportunidades de trabalho, mesmo quando o estudante ainda não tem certeza do curso que irá seguir.

Mudanças de mercado.

O mercado está em crescimento, e as mudanças também acontecem na qualidade dos conhecimentos indispensáveis para viver no futuro próximo. Veja o que diz o historiador, professor e escritor Yuval Noah Harari: “como podemos nos preparar e a nossos filhos para um mundo repleto de transformações sem precedentes e de incertezas tão radicais?” No capítulo 21 no seu livro Sapiens – Uma Breve História da Humanidade, ele coloca a necessidade de ensinar contextos sociais diferentes de todos os tópicos praticados na educação formal da atualidade.

Como incluir novos conteúdos úteis?

Como facilitar o aproveitamento de todo o aprendizado?

Onde entra a Neuroeducação?

A Neuroeducação chega com a tríade formada pela Neurociência, Educação e Psicologia e promete resolver, simplificar e organizar a forma como o nosso cérebro aprende, possibilitando a expressão máxima da nossa potencialidade. É importante alinhar as sinapses, limpar aquelas que só estão ocupando espaço e fazendo barulho. O cérebro ama essa plasticidade e a Neuroeducação fará isso por você!

Anteriormente pensávamos que APRENDER significava “se apropriar de novos conhecimentos”, mas a Neuroeducação nos mostra que este conceito deve ser revisto e analisado com mais cuidado. Aprender é todo o conceito emocional de saber viver, desenvolver senso crítico e abrir espaços para o avanço social, psicomotor e cognitivo.

Piaget e Vygotsky, referências em pesquisa do desenvolvimento, mostram que a emoção está diretamente ligada ao aprendizado. Dê uma dose de emoção no momento de assimilar ou transmitir um novo conteúdo e verá o quão negativa ou positiva será essa experiência, e consequentemente a retenção do assunto aplicado.

A explicação para isso pode estar na nossa sentinela das emoções, a AMÍGDALA, que é uma porção do cérebro humano responsável por processar as nossas emoções, também atua nas áreas da memória, atenção e raciocínio.

Como ajudar um adolescente a aprender certo?

adolescente estudando

Primeiro precisamos entender que as áreas do cérebro se desenvolvem em épocas, ritmos e sequencias diferentes, assim o adolescente se encontra no momento de busca às novidades, o que o leva a agir impulsivamente.

Uma boa pedida inicial é explicar ao adolescente que ele está passando por um processo natural e que ficar atento aos seus impulsos evitará estímulos que o sobrecarreguem ou tirem sua atenção. O próximo passo é introduzi-lo em um método de estudo eficaz, que além de criar rotinas também irá orientar na organização do local de estudo, direcionar ao destravamento do cérebro e liberar a mente para assimilação de conteúdo.

A Heutagogia a favor do aluno.

Heutagogia é o conceito de aprendizagem em que o aluno é o gestor do seu próprio processo de instrução através do autodidatismo, autodisciplina e auto-organização.

Você sente dificuldade nessa prática? Não se preocupe! Em todo território brasileiro há possibilidade de contratação de um coach educacional que vai orientar e organizar sua rotina até que você desenvolva essa habilidade.

Por que é tão importante desenvolver a autonomia nos estudos?

Kant já definia autonomia como a capacidade da vontade humana de se autodeterminar e Rubem Alves disse certa vez: “É fácil obrigar o aluno a ir à escola. O difícil é convencê-lo a aprender aquilo que ele não quer aprender”. A autonomia traz o senso crítico, fundamental para que o aluno perceba o professor como facilitador.

Não há limites para a quantidade e qualidade de seus saberes. Considerando que grande parte delas não está na superfície, é importante que o estudante desenvolva um perfil investigativo, curioso e crítico.

O estudante estará pronto para esse exercício a partir do momento em que aprende a colocar em prática o Método de Estudo Eficaz. Essa habilidade o tornará capaz de aplicar o método em qualquer conteúdo e em qualquer tipo de formação. O seu futuro não será outro a não ser se tornar um super estudante! É o tipo de conhecimento que se leva para a vida, é seu, para sempre!

Dica: Tenha plasticidade, como tem o cérebro. Nunca queira estagnar-se ou achar-se pronto.

Reflexão de Lya Luft: “Pois viver deveria ser – até o último pensamento e derradeiro olhar – transformar-se.”

Rose Oliveira

Pedagoga-Orientadora

@coachmdc.roseoliveira

Deixe uma resposta